Para contarmos como é trabalhar na Take, precisamos ir direto à fonte. Assim, pedimos aos nossos Take.Seres para compartilharem suas conquistas, experiências marcantes e situações curiosas vividas aqui. O resultado você confere abaixo! 

No seu período de Take, o que mais marcou você?
O que mais me marcou no meu período aqui na Take foram as aberturas para atuar em áreas distintas no decorrer do ano. Nesses nove anos de empresa, tive oportunidade de atuar em, pelo menos, cinco áreas diferentes. Isso me motiva a continuar sempre evoluindo e tentar coisas novas.


Aconteceu algo engraçado que você queira compartilhar?

Com dois meses de Take, teve a festa de fim de ano, e participei do campeonato de futebol na festa. Porém, na semi final me deu lombalgia e fiquei a festa toda andando igual o Corcunda de Notre Dame. Não foi uma situação legal. haha


Quais foram as principais conquistas?
Considero como principais conquistas a evolução do time Service Desk nos últimos anos. Hoje o time é muito independente, proativo e colaborativo. Também considero uma conquista termos conseguido otimizar alguns gastos do setor de Operação, gerando redução de despesas.


Como você vê a Take daqui 5 anos?

Sempre um passo à frente no mercado. A Take tem isso no sangue: conseguir sair sempre na frente, com produtos inovadores e aderentes ao que o mercado precisa.

No seu período de Take, o que mais marcou você? 
Durante esses 12 anos de Take, além dos dois filhos lindos que Deus me deu, cresci muito como pessoa e como profissional. Aprendi muito devido aos constantes desafios que acontecem aqui na empresa e creio que também pude contribuir para o crescimento das pessoas que trabalham comigo.


Aconteceu algo engraçado que você queira compartilhar?
Fiquei presa no elevador, com um barrigão de quase nove meses de gestação e um montão de fraldas que ganhei aqui na Take, quando esperava meu primeiro filho.


Quais foram as principais conquistas?
Durante as duas gestações pensei em pedir demissão para poder ficar mais tempo com meus filhos. Mas a Take me deu a oportunidade de conciliar minha vida pessoal e profissional.
Além disso, ouvir a Diretoria dizer que confia no meu trabalho porque cuido da empresa como se ela fosse minha é uma conquista que não tem preço!


"Este ano completo 5 anos de Take. É uma longa caminhada até aqui, de crescimento e de muito aprendizado. Na take temos a oportunidade de evoluir junto com a empresa, não só como profissional, mas também como pessoa. Aqui na empresa vejo que muitos dos meus valores e objetivos estão refletidos, e que tenho o apoio dela e, principalmente, dos Take.Seres para esta evolução.

No ano passado tivemos algumas mudanças na equipe na qual trabalho (QA). Com isto, vieram alguns desafios e aumentaram as responsabilidades. Mas, estes desafios me fizeram crescer bastante, não só indivíduo, mas como Take.Ser e equipe. Nos próximos anos, meses, dias, sei que virão novos desafios, pois a Take é uma empresa inovadora. A cada dia que passa surgem coisas novas, novos produtos, acontecem mudanças; e isso que é bom, 'Uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida'."


Cheguei à Take em 2007 por indicação do Francis (irmão gêmeo do Christhian), que conhecia por ter tido uma banda com ele (na época, haviam músicos que trabalhavam aqui compondo ringtones). Comecei como estagiário e sentava ao lado da impressora da 802 (estagiário sofria antigamente...). Depois de um tempo, consegui uma mesa e o emprego. Passei pelas equipes Interfaces, BI, Equipe Tangram, CG/PM, Chat, Omni e agora Messaging Hub e por isso já me envolvi com a maior parte dos produtos da empresa. Já vi muitos colegas entrarem, saírem e voltarem para a Take. Também vi muitas pessoas sendo pregadas no teto do 8º andar e da garagem (era como comemorávamos as datas especiais) e quase uma jogada pela janela (de brincadeira, claro). Para mim, o mais importante da Take é o fato dela ter me acolhido quando me mudei para cá – vim do interior na “doideira” para BH, com dinheiro contado e sem parentes para ajudar – e tudo que tenho hoje devo ao tempo que trabalhei aqui."

No seu período de Take, o que mais marcou você?

As pessoas. A Take me proporcionou o imenso prazer de conhecer pessoas/profissionais fantásticos ao longo desses quase seis anos.

Aconteceu algo engraçado que você queira compartilhar?

Sempre tive muita ansiedade e nervosismo antes dos feedbacks, e teve uma vez que o antigo gerente de operações, Robert, me chamou para uma reunião, em que comunicou meu desligamento no dia do meu aniversário (0.0). Confesso que perdi o chão, pois sou muito feliz aqui na empresa e quando saí da sala de reunião, tinha bolo e salgadinhos para comemorar meu aniversário. UFA!!!!

Quais foram as principais conquistas?

Entrei na Take como estagiário de Help Desk, fui contratado como Técnico de Informática, depois fui trabalhar no Service Desk como analista e, atualmente, trabalho como Administrador de Banco de Dados.

Minha trajetória aqui na Take foi repleta de grandes desafios, dificuldades e muitas vitórias, mas as principais conquistas que tive aqui foi o conhecimento adquirido, conhecer pessoas sensacionais e poder fazer parte da história desta empresa fantástica.

Como você vê a Take daqui 5 anos?

Hoje em dia a Take tem um grande reconhecimento de mercado pelo pioneirismo em chatbot, e acredito que continuará tendo um crescimento considerável nos próximos anos, principalmente pelas grandes parcerias que tem feito.

"A Take apareceu como um divisor de águas na minha carreira. Até então, eu trabalhava apenas com comunicação corporativa, com responsabilidades bem delimitadas, e eu senti que queria mais que isso. Assim, busquei uma formação em Marketing e tive o desafio de me inserir no mercado de trabalho nessa nova função. E foi assim que abri esse excelente capítulo novo na minha vida.
 
O que mais me marcou na Take foi perceber em pessoas de diversos cargos, áreas, formações e responsabilidades, uma nova forma de trabalhar. Não somos máquinas produtivas, somos pessoas! Respeito e espaço para diversas opiniões e sugestões são muito presentes no nosso dia a dia. O senso de humor tem seu espaço também, até mesmo (ou principalmente? Haha) nas reuniões com a diretoria, que é sempre muito aberta e solícita.

Um dos trabalhos que mais me marcou foi ter participado da criação dos novos valores da empresa. Ajudar a colocar o espírito Take em seis valores foi interessante e muito agregador para mim. Humanidade, trabalho em equipe, excelência, responsabilidade, simplicidade e ambição nos guiam diariamente rumo a um grande futuro!
 
Inclusive já fiz um "pedido formal" ao RH para dedicar cada valor a um dos gols do Cruzeiro de um fatídico jogo de 2011. Será que a diretoria aprova? ;)
 


"Desde que eu comecei na Take, em 2005, sempre gostei das pessoas e do trabalho que eu realizo. Aqui na empresa eu tenho amizade com todo mundo, respeito e sou respeitado por todos. O que eu mais gosto na Take é do ambiente de trabalho, me sinto muito bem aqui. Um acontecimento bem engraçado que já aconteceu comigo foi uma vez em que eu fui jogar bola com os diretores e acabei derrubando o Juliano (diretor). Era fim de ano e teve um pessoal que até brincou comigo dizendo que eu ficaria sem o 13º. Agora eu fico só na cervejinha quando o pessoal vai jogar bola (risos)."

Cheguei em 2012 e antes mesmo de entrar já tinha me identificado muito com o jeito da Take!

Tinha a impressão que encontraria um ambiente de muita cooperação, respeito e autonomia para trabalhar. E encontrei exatamente o que procurava!

Sempre tive muita abertura para realizar o trabalho, ao mesmo tempo em que contei com o apoio de todos à minha volta. Vir trabalhar sempre foi uma alegria, embora em alguns momentos grandes desafios tiraram o meu sono ou entraram nos meus sonhos! Rs...

Me sinto muito realizada por alguns projetos, e dos mais recentes posso destacar o de Valores, que foi um trabalho muito bacana, e tem sido muito importante em nosso dia a dia. E, claro, tenho que destacar o fato de poder jogar futebol com essa galera superengraçada e não me xinga pelas minhas caneladas! Rs...

Queria muito agradecer vocês por fazerem desses anos momentos tão especiais na minha vida! Tenho certeza que em breve vamos alcançar nossos objetivos e sermos reconhecidos como a grande referência do mercado em soluções de comunicação que utilizem os Smart Contacts!!"















Na Take é impossível ficar na zona de conforto pois vivemos em desafios constantes.

Ao longo desses 6 anos vi e vivi muitas experiências, vi ótimos profissionais passando por aqui, ganhei muitos amigos e aprendi muitas coisas. Me desenvolvi bastante como profissional e continuo a me desenvolver.

Ganhei alguns quilos a mais (sim! A Take engorda.), festejei muito, comemorei bastante e trabalhei muito mais.

Já fui DJ, super-herói e professor de forró.

E agora, o que virá? ”

Como as coisas aqui na Take são produzidas mesmo com pessoas pensando diferente e mesmo com pouca burocracia, em um ato solidário as pessoas escutam o outro lado e tentam em conjunto construir algo legal e bem desenvolvido. Além disso é legal ver que as discussões dentro de uma reunião defendendo sua ideia não atrapalha em um relacionamento fora da reunião. Quando acaba a reunião o pessoal sai e toma uma cerveja juntos falando de outras coisas.

Me lembro da festa de final de ano da Take, quando eu ainda era um novato na empresa, vi o Samuel fazendo performance na música "I Will Survive" canta pelos Take.Seres Rafinha e Bires, que ganharam o prêmio de melhor apresentação, com participação especial do Samuel.

Neste meu tempo de Take, participei de muitas conquistas, como a Implementação de metodologias ágeis, integração do QA ao time de desenvolvimento, Salada de fruta no lanche e Desenvolvimento de aplicativos.

A Take daqui a 5 anos, para mim, é uma Take com poucos produtos e serviços, porém maduros e sempre evoluindo além de produtos e serviços acessível a todos. Com um clima melhor ainda e sendo bem reconhecida no mercado. Umas das melhores empresas do Brasil."



















No seu período de Take, o que mais marcou você?
Em meados de 2012, quando passei nas entrevistas e já estava programado para entrar na Take como estagiário, descobri que eu tinha um câncer. Mesmo tendo que passar por duas cirurgias para a retirada do tumor e atrasando toda a minha iniciação de estágio, a Take me esperou e fui muito bem recebido aqui.

Aconteceu algo engraçado que você queira compartilhar?

Eu fiz um curso de brigadista pela Take junto com uma galera animada. Nos sujamos, nos molhamos e voltamos super fedidos para casa, mas com uma grande carga de conhecimento adquirida. Na semana seguinte, tivemos um pequeno incidente no nosso Data Center — local onde um curto acabou queimando uma fonte de um computador. Quando a fonte queimou, ela soltou um estalo muito alto e saiu uma pequena nuvem de fumaça; tudo isso muito rápido, numa fração de segundos. Nesse momento eu me assustei muito e dei um pulo, mas como eu estava próximo da porta, a galera caiu matando dizendo que, na hora do “incêndio”, o brigadista foi o primeiro a correr! Isso acabou virando piada na equipe.

Quais foram as principais conquistas?
Em cinco anos de Take, já fui promovido várias vezes e já ganhei alguns prêmios. Um deles, inclusive, foi em dinheiro — que me ajudou a adquirir meu primeiro carro. Minha vida pessoal melhorou muito depois que comecei a trabalhar na Take, pois devido aos feedbacks, acompanhamento do meu líder direto e do RH, conheci melhor quem eu era e os pontos que eu tinha capacidade de melhorar, o que fez uma grande diferença na minha vida. Mudei minha visão profissional, meu modo de ver o mundo, de encarar as dificuldades.

Como você vê a Take daqui 5 anos?
A Take criou parcerias importantes com empresas como Facebook e IBM no mercado de chatbots. Hoje posso dizer que a Take é uma grande pioneira nesse ramo e futuramente a vejo dominando esse mercado. Levamos nosso nome aos EUA, mostramos a eles nosso potencial e chamamos a atenção por lá. Aperfeiçoamos nossas plataformas numa velocidade incrível, sempre adequando às necessidades do cliente, e isso tudo só pode nos levar a um caminho: o sucesso!

Já estou na Take há seis anos. Entrei como estagiária na época que o QA ainda não trabalhava junto com o time de desenvolvimento. Durante esses seis anos, vários momentos me marcaram, como trabalhar no war room do chat, em que tínhamos que realizar entregas de um app do Vivo Chat em um prazo muito pequeno e conseguimos.

Outro momento muito legal foi que, recentemente, tivemos o Botathon interno, e aconteceu uma coisa muito interessante: o espírito de time que consegui ver nessa edição. Estava claro pra mim que todos estavam lá para ajudar no teste e na evolução da plataforma BLiP, principalmente em uma fala da Mariana de CS quanto à questão de bugs para o time da plataforma: “Os bugs não são somente do time de plataformas; os bugs são nossos, o BLiP é nosso... é tudo nosso” :D

Além de ótimos momentos, tive muitas conquistas, como poder dar apoio ao time de Infra na área de segurança da informação dentro da Take.

Estamos vivendo um período muito legal na Take. Muitas pessoas me perguntam o que mais gosto na empresa, e eu sempre respondo que é trabalhar com as pessoas que estão aqui. Eu aprendo muito todos os dias, pois tenho a oportunidade de trabalhar com pessoas de diferentes áreas e em diferentes projetos. São pessoas super competentes que resolvem problemas extremamente complexos, o que me faz ter muito orgulho e querer ser cada dia melhor.


Quer trabalhar com a gente?

Quem sabe não temos a vaga perfeita pra você? Acesse o link e confira!

Vagas

Quando penso em Take, penso em qualidade, comprometimento, dedicação e engajamento. E nada disso seria possível se a empresa não focasse nas pessoas. Pessoas estas que me marcaram desde o início na empresa pela disponibilidade e boa vontade.

 

Na Take estamos em constante aprendizado e troca, mas isso não poderia ser diferente numa empresa que tem como valor o Time. Uma das minhas maiores conquistas foi deixar a zona de conforto e acreditar que eu era capaz de fazer parte de um time excellence, que sonha grande.

 

É a assim que vejo a Take no futuro: GRANDE! Em todos os sentidos: de expansão, de crescimento, de aperfeiçoamento, de time, de pessoas e de estrutura.