Psicologia do design: 10 princípios experimentais essenciais

psicologia do design

Ao entender o funcionamento do cérebro humano, os designers podem aprender a aproveitar a percepção humana para desencadear mudanças comportamentais.

Assim, podemos usar os princípios básicos da psicologia para tomar decisões mais informadas, garantindo que nossos designs não sejam apenas atraentes, mas também eficazes.

Neste artigo, analisaremos os dez princípios psicológicos mais importantes a ter em mente durante todas as etapas do processo de design.

1. Efeito Von Restorff

Também conhecido como efeito de isolamento, o efeito von Restorff prevê que, quando visualizamos vários objetos, provavelmente lembraremos daquele que é diferente.

O oposto também é verdadeiro: objetos que se destacam menos têm menos probabilidade de serem lembrados.

E qual é a conclusão?

Devemos tornar elementos fundamentais e informações essenciais visualmente distintos, variando de tamanho, cor, posição e forma.

A página de preços do Dropbox Business é um excelente exemplo de como o efeito von Restorff pode ser usado para influenciar o comportamento do consumidor.

Eles tornaram seu plano Advanced (o que eles querem que nós compremos, por qualquer motivo) visualmente distinto dos planos Standard e Enterprise.

Sem esse contraste visual, o visitante seria confrontado com uma tela cheia de texto, sem nenhuma direção clara sobre para onde olhar primeiro.

Da forma como foi apresentado, é mais provável que o usuário olhe e se lembre do plano Advanced.

2. Teoria da dupla codificação

A teoria da dupla codificação, criada por Allan Paivio em 1971, sugere que a apresentação de informações verbais e não verbais facilita a recordação de informações.

A ideia por trás dessa teoria é que as informações verbais são processadas por um sistema cognitivo diferente das informações não verbais, e a apresentação de informações nos dois sistemas ajuda a criar modelos mentais mais precisos.

O que nós, como designers, podemos aprender com essa teoria é simples: complemente o texto com imagens relevantes quando a compreensão e a memorização forem importantes.

A palavra-chave aqui é relevância; elementos de design abstratos não surtirão efeito.

São apenas os elementos visuais, gráficos ou diagramas que afetarão a compreensão.

Os infográficos aplicam brilhantemente o princípio da codificação dupla; eles misturam e combinam texto com recursos visuais para maximizar a compreensão. 

3. Efeito de posição serial

O efeito de posição serial sugere que os itens no início e no final de uma lista são mais memoráveis que aqueles que ficam no meio.

É provável que os itens posicionados no início sejam armazenados na memória de longo prazo (efeito de primazia), enquanto os itens no final ficam “frescos” na memória de curto prazo (efeito de recência).

Isso é particularmente relevante ao criar apresentações, relatórios ou outros materiais de marketing destinados a apoiar o aprendizado.

Essa é a razão pela qual muitas vezes terminamos as apresentações com um slide de resumo e porque as conclusões são tão cruciais para os artigos longos em blogs.

Também é importante para a psicologia do web design.

Os elementos vitais de navegação devem ser colocados na extremidade esquerda ou direita da barra de navegação, onde é mais provável que sejam lembrados e encontrados com mais facilidade.

4. Efeito do lugar central

O efeito do lugar central afirma que, quando nos apresentam um conjunto de objetos semelhantes, tendemos a preferir o que está no centro.

Acredita-se que os consumidores presumem que os varejistas colocam os produtos mais populares no centro das gamas de produtos, o que leva a esse efeito do lugar central.

Independentemente da causa, é algo que deve ser levado em consideração sempre que você estiver criando para promover a venda de um produto.

As imagens que apresentam vários produtos, por exemplo, devem ser organizadas em torno de um único produto central.

As plataformas de e-commerce também podem ser projetadas e selecionadas com o efeito de lugar central em mente.

Você pode potencialmente aumentar as vendas de um item específico, colocando-o no centro de sua gama de produtos.

5. Lei de Pragnanz

A lei de Prägnanz é o princípio fundamental da psicologia da Gestalt, uma escola de pensamento que tenta descrever as regras por trás da percepção visual humana.

Essa lei sugere que entendamos o mundo encontrando padrões em estímulos visuais, percebendo objetos como pertencentes a grupos organizados e encontrando simplicidade em formas complexas.

Algumas leis da Gestalt seguem a lei de Prägnanz.

Os princípios de fechamento, figura-fundo, similaridade, proximidade e região comum preveem, teoricamente, como os estímulos visuais são interpretados.

Podemos usar essas leis para informar nossos projetos e nos ajudar a criar significado a partir de elementos visuais abstratos.

Essas leis devem guiar nossas escolhas de design sempre que for necessária uma comunicação clara: em web design, design de logos e design gráfico.

Vamos dar uma olhada em cada lei e em como se aplicam à psicologia do design. 

6. Princípio do fechamento

O princípio do fechamento afirma que tendemos a preencher lacunas entre os elementos para perceber objetos incompletos como sendo inteiros.

Se não estiver familiarizado com esse princípio, observe a imagem abaixo.

A imagem parece três personagens do Pac-Man ou um triângulo branco sobreposto em três círculos pretos completos?

O princípio do fechamento sugere que a última opção é mais provável.

Esse princípio é particularmente útil no design de logos, quando frequentemente queremos eliminar o máximo de tinta desnecessária possível.

Podemos contar com quem visualiza para preencher as lacunas e entender até as logos mais minimalistas.

A logo da NBC, por exemplo, conta com o fechamento para criar significado no espaço negativo no centro do design.

Nosso cérebro preenche as lacunas para “ver” o corpo de um pavão cercado por penas.

Da mesma forma, a logo do World Wildlife Fund deixa lacunas na cabeça e no corpo do panda.

Aposto que você não tem dificuldade em reconhecer isso como um urso panda.

Se você deseja aplicar o princípio do fechamento em seus designs, lembre-se de que ele é mais útil para objetos reconhecíveis (como pandas e pavões) e simples (como formas geométricas).

Certifique-se de fornecer informações suficientes para que o público interprete a imagem.

Retire muito contexto e a mente terá dificuldade para suprir as lacunas.

7. Princípio da figura-fundo

O princípio figura-fundo afirma que distinguimos objetos de seus fundos com base no tamanho do objeto e no contraste entre o objeto e esse plano de fundo.

As relações figura-fundo podem ser estáveis, quando houver um elemento claro em primeiro plano, ou instáveis, quando os elementos em primeiro e em segundo plano forem reversíveis ou ambíguos.

Esse princípio é frequentemente aplicado em combinação com o princípio do fechamento para criar ilusões inteligentes que tecem objetos de “figura” com objetos de “fundo”.

Este logo de John Randall, por exemplo, usa uma relação instável entre figura e fundo para representar os dois animais titulares do restaurante The Swan & Mallard.

O branco vivo do cisne contrasta com o fundo escuro, distinguindo o cisne como a “figura”.

O pato emerge do “fundo”, criado no espaço negativo do cisne com a ajuda da lei do fechamento.

Um efeito estável de figura-fundo, no entanto, é mais útil na psicologia do design da web, onde muitas vezes é necessário criar um CTA claro que se destaque do fundo.

O site de Neil Patel, por exemplo, estabelece claramente uma relação estável entre figura-fundo que chama a atenção para Neil e seu CTA.

O uso cuidadoso do contraste visual é fundamental para qualquer campanha de marketing.

O tratamento gráfico mais crucial para controlar as relações figura-fundo é a cor.

Ao fazer escolhas cromáticas ponderadas, podemos usar a saliência e o contraste visual para criar relações figura-fundo estáveis e instáveis.

8. Princípio da proximidade 

O princípio da proximidade afirma que objetos próximos são percebidos como interligados.

Conforme mostrado no exemplo abaixo, os círculos posicionados em proximidade parecem estar mais relacionados do que os círculos mais afastados.

A proximidade é o mais poderoso de todos os princípios da Gestalt por exercer a maior influência sobre a maneira como agrupamos objetos visuais.

Devemos aplicar o princípio da proximidade sempre que desejarmos organizar informações em nossos projetos, para indicar relações entre elementos como texto, ícones e imagens.

A proximidade não poderia ser mais simples de aplicar em seus projetos.

Coloque juntos apenas os elementos relacionados e adicione amplo espaço em branco entre os componentes separados.

Além de organizar seus designs, você os tornará mais precisos e fáceis de ler.

9. Princípio da similaridade 

O princípio da similaridade anda de mãos dadas com a lei da proximidade.

Ele afirma que objetos com propriedades visuais compartilhadas são percebidos como pertencentes um ao outro.

Julgamos a similaridade com base em muitos atributos, incluindo forma, tamanho e orientação:

Ao usar a similaridade em seus designs, lembre-se de que a cor é de longe o atributo mais potente para o agrupamento, enquanto a forma e o tamanho são os mais fracos.

Quaisquer efeitos de similaridade baseados na forma ou no tamanho serão substituídos pelos efeitos de similaridade baseados na cor.

Muitos de nós aplicamos o princípio da similaridade intuitivamente, repetindo atributos gráficos como tamanho, fonte e cor em um design para criar a sensação de coesão.

10. O princípio da região comum

O princípio da região comum afirma que objetos colocados na mesma área (geralmente cercados por uma caixa ou outra forma) são percebidos como agrupados.

Esse efeito de fechamento é poderoso o suficiente para superar os efeitos de similaridade e da proximidade, como exemplificado abaixo.

Esse princípio é particularmente útil no web design para reunir elementos que, de outra forma, são visualmente diferentes.

Um exemplo simples é o tema do cartão que invadiu o mundo do design de interface do usuário ultimamente, como visto neste modelo de Andrei Manolache:

Considerações finais sobre a Psicologia do Design

Uma das melhores coisas que você pode fazer como designer é estudar a psicologia e a percepção humana.

Compreender a percepção e a interpretação dos recursos visuais proporcionará a você mais controle sobre o impacto dos recursos visuais, ajudando-o a se comunicar de maneira mais eficaz em seus projetos.

Esses princípios, no entanto, não devem ser tomados como regras rígidas, nem como a palavra final.

Em vez disso, eles devem ser usados como ferramentas e orientações para ajudá-lo a criar recursos visuais mais claros, mais atraentes e que geram conversões com a maior eficiência possível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez você goste desses conteúdos também: