Quais informações podem ser compartilhadas via chatbots para bancos?

chatbots para bancos

Cada vez mais as instituições financeiras procuram se reinventar, adotando novas tecnologias e novas formas de proceder na entrega de seus serviços e produtos. E os chatbots para bancos se tornaram ferramentas fundamentais nesse processo, uma vez que, segundo pesquisas, os consumidores preferem entrar em contato com empresas via chat.

Não apenas no que diz respeito a atendimento, mas muitas outras operações podem ser efetuadas por meio de chatbots para bancos. Nesta leitura, serão listadas algumas dessas possibilidades e quais os cuidados que devem ser tomados para a manipulação dos dados compartilhados durante a conversação. Confira!

Qual a importância dos chatbots para bancos?

Evoluir digitalmente sempre foi uma necessidade para as instituições financeiras. Especialmente depois que os bancos digitais vieram à tona, essa preocupação aumentou ainda mais. Afinal, essas instituições digitais tendem a acompanhar  as novidades da mundo virtual, desde o seu lançamento.

Por isso, quando falamos em aplicativos bancários, a expectativa do usuário é a mais alta com relação a atendimento rápido e facilidade nas transações. 

Segundo pesquisa realizada pela iProspect, com 4 mil consumidores diferentes, “46% dos entrevistados têm expectativas de que seu banco ofereça soluções de atendimento inovadoras, disponíveis 24 horas por dia”. Esse é um motivo seguro pelo qual os chatbots para bancos se fazem tão necessários.

Os bots inteligentes vêm se aprimorando no mercado, sendo uma ferramenta que trabalha 24 horas por dia, 7 dias por semana. Com eles, o anseio de atendimento rápido é solucionado.

Além disso, um contato via chatbot pode ser muito eficiente para aumentar as vendas. Porque, ao contrário do telemarketing, os chatbots para bancos dispõe de um acúmulo de dados de cada cliente, que permite oferecer um serviço que seja realmente relevante para ele.

Ou seja, o chatbot “conhece” o usuário, sabe quais são as principais dores dele e pode identificar quais seriam as funcionalidades mais convenientes para ele.

Quais informações podem ser trocadas via chatbots para bancos?

Os chatbots para banco, então, são uma peça fundamental para tornar o aplicativo do seu banco mais completo. Com essa função disponível, diversas ações podem ser realizadas por meio do chatbot:

Esclarecimento de dúvidas

Quando se trata de transações financeira, os usuários costumam ter muitas dúvidas com relação a: prazos, processos, cobranças, limites etc. Com um chatbot para bancos, essas dúvidas podem ser respondidas instantaneamente, fazendo com que o cliente fique muito mais satisfeito.

Consulta de dados

Embora muitas informações estejam disponíveis no aplicativo bancário, é possível que um usuário prefira um chatbot, ou até mesmo confirmar alguma informação que ele não conseguiu localizar. Com isso, o chatbot pode responder diretamente a respeito de: saldo em conta, extratos, limite de cartão de crédito, consulta de prazo de vencimento, enfim, inúmeras solicitações.

Atualização de cadastro

Empresas que trabalham com dados cadastrais já realizam esse procedimento de atualização de dados, periodicamente. Afinal, é comum que as pessoas mudem de endereço, número de telefone, e-mail etc. Essa tarefa também pode ser realizada por um chatbot, por meio de perguntas e respostas objetivas.

Compartilhamento de conteúdo

A prática de compartilhamento de conteúdo é muito utilizada para a fidelização de clientes. Essa estratégia, de entrega de informações relevantes como: dicas de como investir e melhores formas de economizar proporciona uma interação com o seu cliente.

Mostrando, então que sua empresa vai além de apenas entregar um serviço, mas entrega orientações para que o cliente melhore seu desempenho financeiro.

Notificação de atividades

Outra funcionalidade que os chatbots podem ser muito úteis é: informar ao cliente quando alguma atividade for realizada na sua conta. Por exemplo: um pagamento de fatura, uma compra, uma transferência realizada, um erro em alguma operação e outras que podem ser informadas para manter o dono da conta atualizado.

São muitas funcionalidades que um chatbot viabiliza. Porém, quando se trata de assuntos bancários, todo cuidado é pouco.

Estamos lidando com questões monetárias. Por isso, o ideal é que a conversação aconteça dentro do aplicativo e quaisquer outras mensagens, vindas de outras plataformas, oferecendo serviços ou solicitando dados, devem ser criteriosamente analisadas.

Por essa razão, as instituições financeiras precisam oferecer um ambiente seguro, para que não vaze nenhum tipo de dado sensível.   

Por que é importante proteger dados sensíveis?

Ao mesmo tempo que os clientes querem praticidade e velocidade nas operações dos seus bancos, não abrem mão da segurança das suas informações pessoais e nas transações que são realizadas

A segurança é um fator preocupante da maioria das pessoas em um ambiente digital. De acordo com um levantamento global da Unissys, a preocupação com a segurança de dados é a maior em 10 anos. Não coincidentemente, pois a tecnologia se torna cada vez mais evoluída e nós estamos, inevitavelmente, migrando para o mundo online.

Porém, ainda que essa evolução seja uma realidade, ela precisa ser acompanhada pelo desenvolvimento de medidas de segurança eficazes, uma vez que instituições financeiras lidam com dados demasiadamente sensíveis. E, por isso, existe hoje a LGPD.   

O que é LGPD?

LGPD é a Lei Geral de Proteção de Dados – LEI Nº 13.709, DE 14 DE AGOSTO DE 2018. Essa Lei “dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural”.

Ou seja, a coleta, o armazenamento e compartilhamento de dados está assegurado por meio da lei.

A LGPD, que entrará em vigor a partir de agosto de 2020, provocará mudanças na realidade de muitas empresas. Pois essa lei se aplica a todas as empresas brasileiras, independentemente do porte, segmento, se é de categoria pública ou privada, todas estarão sujeitas às estas regulamentações.

De acordo com a PG Advogados, resumidamente, a LGPD estabelece: 

  • regulamentação no tratamento de dados pessoais;
  • proteção do direito fundamental à privacidade;
  • minimização no tratamento dos dados pessoais;
  • criação do conceito de controlador e operador;
  • instituição do cargo de data protection officer (DPO) ou encarregado da proteção de dados e suas funções. 

Todas esses pontos, dizem respeito ao modo como os dados pessoais devem ser tratados e, principalmente, com relação a transparência para com o usuário no uso das suas informações pessoais.

Portanto, os chatbot para bancos devem ser implementados cuidadosamente, considerando todos os termos da lei que se refere a manipulação de dados pessoais. Por isso, esse bate papo pode e deve acontecer em canais de comunicação verificados. Saiba como o uso do chatbot para bancos já está mudando a experiência do cliente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez você goste desses conteúdos também: