No mês da Mulher na Take, as rosas foram para os homens

Sobre como conscientizamos a Take — empresa majoritariamente masculina — em prol do feminismo no mês da mulher.

 

Se existe um consenso entre minhas colegas de trabalho é o de que ainda temos muito o que caminhar em termos de igualdade de gênero. Só na tecnologia representamos apenas 5% dos cargos de liderança, segundo a Business Insider. Apesar do feminismo estar cada vez mais em pauta na mídia, vivemos em ambientes corporativos nos quais ainda somos constantemente subjugadas, oprimidas e invalidadas pela supremacia masculina.

Feminismo é um assunto muitas vezes desconfortável, principalmente quando nos reconhecemos no lado opressor.

Aqui entra um ponto-chave: Estamos inseridos em uma sociedade machista, portanto, todas as pessoas nascem machistas. A desconstrução diária cabe a nós.

Em março, o mês da mulher, o comitê feminino se desafiou a criar uma nova fórmula de conscientização dentro da empresa. Entendemos a importância do momento para abrir a discussão e o trabalho de conscientização na Take. Provocamos, questionamos, elucidamos e debatemos. E essas foram as 5 ações essenciais para nosso mês da mulher que geraram mais repercussões positivas:

Ações do Mês da Mulher na Take

1. Postagens em nossa ferramenta de comunicação oficial: Workplace

Para começar a discussão sobre o feminismo, publicamos uma série de 4 posts, organizados pela Helane Oliveira (Head de Service Desk), com os seguintes temas:

15.03 – Mansplaining (por eu mesma haha):

“(…) é quando o homem assume a postura de professor e começa a ensinar ou explicar algo que a mulher já sabe, pelo simples fato de querer acentuar (mesmo que inconscientemente) a falsa ideia de “superioridade” ou por prejulgar que, por ser mulher, ela provavelmente desconhece o assunto (…)”.

19.03 – Sororidade (por Ana Paula Panicali, CSM):

“(…) é um termo derivado do inglês, com junção das palavras man (homem) e interrupting (interrupção). É utilizado para caracterizar situações em que um homem interrompe uma mulher de forma desnecessária, conscientemente ou não (…)”.

22.03 – Estereótipos em produtos digitais (por Bianca Pinheiro, UX Designer):

“(…) para nossa reflexão, até que ponto estamos refletindo estes preconceitos nas personas de nossos contatos inteligentes? O quanto estamos repetindo nossos critérios de marginalização e enviesando nossos algoritmos reproduzindo o sexismo da sociedade e o papel da mulher como à serviço de tarefas menos importantes? (…)”.

26.03 – Bropriating (por Analu Lima):

“(…) se refere à qualquer situação em que um homem se aproprie das ideias e falas de uma mulher e leve todo o crédito por isso. O bropriating é mais um tipo velado de violência psicológica contra a mulher (…)”.

2. Rosas para os homens no dia 8 de março

A Aline Guimarães (CSM), a Fefa Soares (CSM) e a Vivi Abreu (DP) foram responsáveis pela organização dessa ação. Distribuímos rosas aos homens da empresa com o seguinte recado:

“Não queremos rosas no dia 08 de março, queremos respeito no ambiente de trabalho e em todos os dias do ano:

Queremos que você ouça sem nos interromper.

Queremos ter nossas ideias respeitadas e atribuídas a nós.

Queremos que você não assuma que qualquer sentimento é TPM.

Queremos que não conte quem somos, o que fazemos e queremos.

O que você já fez hoje para diminuir a diferença de gênero?”

O Instagram ficou todo florido 😀


3. Lideranças femininas puxando a roda de debate

Keyla Macharet (Product Manager), Regina Soares (Delivery Manager) e Helane Oliveira (Head de Service Desk) são líderes que fizeram carreira na Take e puderam presenciar o quanto evoluímos nos últimos anos.

Nesse debate, elas compartilharam um pouquinho da sua vivência, seus ensinamentos e desafios, ainda diários. Foi um momento de muita sororidade para todas as presentes! <3

4. Camisa: “The present is female”

Sem a ajuda da Nayara Aquino (Administrativo), a Amanda Alves (Vendas) e a Andressa Cruz (Dev da Plataforma), a organização e entrega das camisetas não teria sido possível! Vestimos a camiseta, bradamos nosso grito de guerra e registramos o momento — que é a capa deste post — em nosso evento de palestras mensal: o Take.Talks.

5. Eventos temáticos: Escola Take e Take.Talks

A Escola Take já nasceu com o intuito de transmitir nossos conhecimentos práticos a mulheres interessadas em tecnologia, ampliando o acesso à informação. Nessa versão, repetimos a dose e tivemos 2 dias e 4 palestras sensacionais sobre:

  • Segurança da informação (Samantha)
  • Data e negócios (Luiza Melo)
  • QA (Bianca Torres)
  • UX Design (Bianca Pinheiro)
  • Inteligência artificial (Lívia Almeida)

O Take.Talks, meetup que ocorre todo mês na empresa, também abriu espaço de fala para duas mulheres inspiradoras: Nathalia Oliveira (Marketing) e Bianca Pinheiro, que falaram respectivamente sobre a experiência de viajar sozinha para a África do Sul e sobre como dar um Pitch perfeito.

Depois de tudo, a repercussão

Já deu pra entender a quantidade de envolvidas no mês da mulher, né? E como ficaram os homens nessa história toda?  Podemos afirmar com certeza absoluta que a repercussão foi muito positiva e os efeitos maiores do que esperávamos.

Os posts geraram debate e reflexão de muitos colegas. Os que se reconheceram nos exemplos se incomodaram e questionaram. Os que se conscientizaram, partiram para a ação — agora, é muito mais comum termos o apoio de um homem quando sofremos mansplaining, manterrupting ou qualquer outra situação de machismo. Assim como vários passaram a prestar mais atenção em seus atos, se desculpar pelo presente e pelo que fizeram no passado. Por fim, continuamos caminhando juntos e na luta!

Obrigada a todas as pessoas envolvidas, em especial às minhas colegas guerreiras. Vocês são nossas maiores inspirações.


fabi post mês da mulher take

Fabiana Kauder

UI Designer da plataforma BLiP na Take

 

Conheça melhor a cultura da Take!