WhatsApp e Big Data: como os conceitos podem andar lado a lado?

WhatsApp e Big Data

Com certeza você conhece, utiliza e tem noção da importância do WhatsApp para a vida de todos nós atualmente. Mas você já ouviu falar de Big Data? E sobre o fato de que WhatsApp e Big Data andam lado a lado? Vamos explicar um pouco mais sobre como isso funciona na prática.

Mas o WhatsApp é realmente tão importante assim?

Se você ainda tem dúvida de que o WhatsApp tem um papel essencial na vida das pessoas, aí vão alguns números:

O WhatsApp é o aplicativo de mensagens mais popular no Brasil e no mundo. E como as empresas sabem que seus clientes já estão no aplicativo, elas querem utilizar esse meio para se comunicar com eles.

Fica evidente, portanto, a principal oportunidade de negócio que surge dessa popularidade do aplicativo. As pessoas podem se relacionar com as marcas utilizando a mesma plataforma que já usam para se conectar umas com as outras (alô, contato inteligente!).

E o que é o Big Data?

O termo Big Data (megadados ou grandes dados, em português) está relacionado ao grande volume de dados gerados atualmente pelos mais diversos aplicativos, indústrias, bancos e quaisquer outros sistemas tecnológicos.

Para termos noção da magnitude do Big Data, basta considerar que mais de 500 milhões de tweets são gerados todos os dias pelos usuários do Twitter, ou que em 48 horas a Amazon vendeu mais de 175 milhões de produtos durante o Amazon Prime Day de 2019.

Esses dados normalmente não têm uma estrutura definida, vêm de diversas fontes e são gerados em grande volume e em alta velocidade. Esses são três dos V’s do Big Data: volume, variedade e velocidade.

Outros exemplos são as curtidas nas publicações do Facebook, os áudios enviados no WhatsApp, os vídeos carregados no YouTube diariamente, as transações financeiras de todos os usuários de um banco ou as informações de geolocalização em tempo real utilizadas durante um terremoto no Haiti para ajuda humanitária.

Mais do que um aglomerado de dados, o Big Data diz respeito às técnicas de processamento necessárias para transformar esses dados brutos em informações e insights que possibilitem a melhoria da experiência do usuário e tragam maior rendimento para as empresas. 

Ok, mas o que Big Data tem a ver com WhatsApp?

Acho que você já começou a perceber a relação entre os dois assuntos. Se o WhatsApp é o aplicativo de comunicação mais popular do mundo, o volume de dados trafegado através dele é gigantesco! Segundo o site Business of Apps, temos as seguintes estatísticas para a plataforma:

  • 65 bilhões de mensagens enviadas por dia, uma média de 29 milhões por minuto;
  • 2 bilhões de minutos em chamadas de voz e vídeo por dia;
  • 55 milhões de chamadas de vídeo diárias;
  • 85 bilhões de horas de uso do aplicativo entre maio e julho de 2018.

O serviço de mensagens também é bastante expressivo no contexto da Take. O WhatsApp é o canal com maior tráfego de mensagens dentre todos os canais integrados ao BLiP. E os números da Take com o WhatsApp também impressionam:

  • em 2019, foram mais de 637 milhões mensagens enviadas pelo WhatsApp usando o BLiP;
  • no primeiro trimestre de 2020, foram trafegadas mais de 327 milhões de mensagens – 51% do volume total do ano anterior;
  • no mês de março de 2020 atingimos um novo recorde mensal de mais de 108 milhões de mensagens usando o aplicativo – 60% maior que o último recorde, alcançado no mês anterior.

Podemos dizer, então, que Big Data tem tudo a ver com WhatsApp. Ele possui dados nos mais diversos formatos – vídeo, áudio, texto, imagens e gifs –, em volume de grandes proporções, produzidos com grande velocidade e que possuem alto potencial de geração de conhecimento.

Quais oportunidades o Big Data pode trazer para dados do WhatsApp?

As principais aplicações do Big Data incluem a personalização da experiência de acordo com a segmentação dos usuários, a recomendação de produtos e serviços com base no perfil de consumo anterior e a predição de qual ação o usuário realizará em seguida dado seu histórico.

Algumas empresas e segmentos já estão aplicando essa inovação. O Spotify está empregando esse volume massivo de dados para te recomendar novos artistas com base nas músicas que as pessoas com gosto musical parecido com o seu ouvem. Já o mercado de publicidade está sendo revolucionado pela microsegmentação, que analisa dados demográficos e psicográficos para criar anúncios direcionados para variados perfis de clientes.

Pensando nas mensagens trocadas pelo WhatsApp, é possível utilizar análise de sentimentos para entender o quão satisfeito o usuário está com o atendimento de um chatbot. Outra aplicação seria recomendar produtos ou serviços ao usuário com base nas conversas anteriores.

Tudo isso, obviamente, precisa ser realizado garantindo a privacidade das informações do usuário e respeitando as regulamentações de segurança dos dados, como a LGPD (alô, Segurança da Informação!).

Esse é um cenário recente, altamente inovador e repleto de incertezas. Porém, uma coisa é certa: a adoção de estratégias de Big Data para analisar e extrair insights dos dados do WhatsApp colocarão os competidores um passo à frente no mercado!

Gostou de saber ainda mais sobre a relação do Big Data com o WhatsApp? Entenda também quais são as aplicações dos chatbots em empresas de logística.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Talvez você goste desses conteúdos também: